quarta-feira, 28 de maio de 2008

OS EXEMPLOS QUE DAMOS (BONS E MAUS)

Vamos começar pelos maus, situado na freguesia das Angústias, junto à novíssima escola secundária Dr. Manuel de Arriaga, está este triste exemplo de desleixo pelo nosso passado. Era um moinho de vento com 3 pisos e cúpula giratória, agora não passa de um atentado visual, pois está situado junto à urbanização da Horteco, e à já referida escola, tudo "novinho" em folha.

Tenho pena, que estes jovens aprendam a dar valor desta forma, ao nosso passado. Tanto fogo de artificio se queima nesta terra, tanta sardinhada para os "compinchas" do partido comerem, etc...

Talvez para recuperar este imóvel, bastasse metade do que se "queima" por exemplo no encerramento da Semana do Mar.



NEM JUNTA DE FREGUESIA, NEM MUNICÍPIO?
Vá lá, ao menos roçam a relva em redor, isto deve ser para o matagal
não "tapar" esta preciosidade...!



Vamos pensar positivo, a ver se alguém dá o primeiro passo, acho que este Moinho recuperado, ficava aqui muito bem.

AGORA, OS BONS EXEMPLOS:

Já foi recuperada, e bem a "WALKIRIA", lancha pertencente à frota baleeira cá da terra. Um iniciativa de várias entidades, de onde se destaca a Câmara Municipal e o Clube Naval da Horta. Isto sim, é preservar a nossa identidade...!

Ao clicar nesta foto, podemos apreciar mais duas embarcações "míticas", no canal Faial - Pico, a "Calheta" e o "Picaroto", bem como a antiga "casa" em madeira da Guarda Fiscal (pintada de verde). Se alguém, por acaso souber o nome da embarcação que está ao lado da Walkiria, diga por favor.


Para saber mais sobre a "Walkiria", clique neste link:

http://hardware-in-faial.blogspot.com/2008/05/walkiria.html


5 comentários:

José Carlos disse...

Acho que não existe mais nenhum desse tipo cá na ilha?

geocrusoe disse...

uma vergonha o abandono do moinho em causa.

geocrusoe disse...

uma vergonha o abandono do moinho em causa.

Lc disse...

Ao José Carlos, se existe, não conheço.

Ao Geocrusoe, é mesmo verdade,não dá para compreender...

Nilson Barcelli disse...

De maus exemplos como esse, está o país cheio.
Dos bons, nem por isso, mas aqui e ali vão surgindo alguns.

Excelente post de intervenção. É necessário, por vezes, falar de coisas erradas para alguém se lembrar delas e corrigi-las.
sem esquecer as boas, claro.

Abraço.