quarta-feira, 25 de junho de 2008

CALÇADA PORTUGUESA 1

Como toda a terra Portuguesa que se preze, também aqui existe este "rendilhado" feito de pedra. Basalto e calcário, decoram os passeios da Horta.




São motivos geométricos, ou representativos dos símbolos da Região ou da Ilha.






Aqui ficam alguns exemplos, desta arte "pisada" todos os dias. Apetece dizer, repare onde coloca os pés.

13 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

No meu Porto, toda a Av. dos Aliados era um museu de belíssimos desenhos ...
Siza Vieira, acabou com o basalto e calcário.
Estão lá semeados cubos de granito.
Nem digo mais nada.
Ah! Só que as árvores desapareceram quase todas, bem como os jardins.
Mas tem um lago, para atirar as pontas dos cigarros e apagarem logo.
Uma bos semana.

Paulo Pereira disse...

É um bom exemplo, sim senhor, para todos os passeios da nossa terra.

Isa disse...

olá
nao pude deixar de comentar esta beleza ! lindos trabalho que por vezes nem nos apercebemos onde pisamos! e são verdadeiras obras de arte!
Esta ilha deve ser um encanto qualquer dia vou ai visita-la !!! até porque já cá tenho um familiar a viver que é daí !
beijos

isa

Fê Costta disse...

Olá!!

Fê Costta disse...

Olá!!

Que lindos trabalhos!! Aqui no Brasil usa-se muito a calçada portuguesa, porém, sem a criatividade que vcs têm por aí... Vemos apenas desenhos geométricos, quase todos no mesmo padrão.

Acabei de voltar de Praga, depois venha conferir que cidade mais linda!!

Grande abraço :)

Anónimo disse...

Bonito contraste, sem dúvida.

Periquito disse...

Post bem a propósito sobre uma das riquezas que (entre outros portugueses) nós faialenses temos na nossa terra e que muitas vezes nem damos conta para quanto mais valorizar.

Pena que já poucos calceteiros existem e que já mal sabem recuperar qt mais fazer nova calcada

O Dr. Carlos Lobão editou um livro creio que através do clube filatélico da esocola secundária exactamente sobre a nossa calçada faialense.

Parece-me que foi uma edição da Junta de Freguesia da Matriz

Deve estar à venda na Papelaria Telégrapho.

Bom trabalho.
Parabens e continua amigo.

Lc disse...

Pois é amigo José Torres, as cidades crescem,e quando há falta de espaço, sofrem os jardins e tudo o que os rodeiam. É uma pena... Por vezes as mudanças nem sempre são felizes, aqui já aconteceu também...

Lc disse...

Ao "periquito", é uma grande verdade, estou a lembrar-me da descida ao lado da capitania, quantas vezes a calçada foi reposta até acertar???
E o largo do Infante, tanto símbolo náutico, ou outros ligados com a história do Faial, que lá podiam ter sido colocados, será mesmo por falta de calceteiros, ou será mesmo falta de ideias das gentes desta terra, que teimam em ter protagonismo em tudo??
Vá lá, ao menos as árvores ainda vão escapando...

xistosa - (josé torres) disse...

O espaço está lá todo o que havia ... nu ... despido ...
Decorado pelo arquitecto Siza Vieira ...

katia disse...

Lindo...!!! Tudo muito lindo...!!!
Parabens!!!

Anónimo disse...

Ai meu Deus, vcs matam-me virtualmente mas vou escrever o que penso.
Plenamente de acordo com tudo o que é dito, mas há uma coisa que ng diz, ñ há bela sem senão e aqui o meu senão é de ordem prática, "os saltos dos sapatos", ah, pois... enterram-se nos intervalos das pedras e podem, ou provocam mesmo alguns acidentes. Uma constatação verificada por mim várias vezes... logo apesar de belo de ver, ñ é lá muito adequado para a finalidade a que se propõe... ANDAR!!
(Quero ver os homens a contestar-me, pudera!! E as mulheres a sugerirem que se ande sempre de sapatos rasos, vcs andam sempre? Eu ñ!)

Adoro saltos e até respiro fundo quando o piso é plano e posso olhar em frente sem me preocupações do tipo "aonde é que ponho os pés".
E pronto, foi o que me deu para dizer e vou-me embora caso contrário nc mais acabo de escrever e reescrever.
Marina

Lc disse...

É uma realidade, já vi "cenas" dessas, não há contestação possível...