quarta-feira, 5 de novembro de 2008

O PRINCIPE E O VULCÃO

Histórias de uma vida...

Numa "parceria" com a Revista da Armada, para a ilustração de um trabalho realizado pelo Sr. Luís Filipe Silva e publicado no blog Hardware In Faial , surgiu a oportunidade de contar mais esta história de grande interesse para os conteúdos históricos deste blog, são momentos da vida de pessoas que "viveram" os acontecimentos, que tanto se fala por aqui.



O nosso interlocutor, foi destacado em Março de 1957 para o Patrulha P581 ("Príncipe"), onde prestou serviço durante alguns meses, aqui vou deixar dois momentos que marcaram a vida deste homem e também a história do Faial.

O primeiro tal como a foto anterior documenta, tem a ver com a lenda da muralha do Porto da Horta:

"Também, para cumprir a tradição de todos os marinheiros que escalavam o Porto da Horta, na ilha do Faial, era imperativo que a imagem do “Príncipe” ficasse gravada, em adequada dimensão, na parede de pedra do molhe, frente à posição em que o navio estava atracado. Muitas pinturas atestavam a passagem de outras guarnições, nacionais ou estrangeiras, com os respectivos nomes e, por vezes, com esboços mais ou menos perfeitos das imagens dos respectivos navios. A imagem do nosso, navio da Armada Portuguesa, tinha que ser, sem hesitações, a melhor e mais bem pintada delas todas!"


"Recordo o salutar entusiasmo da guarnição quando a nova tarefa de “pintar o navio” lhes foi comunicada e como logo apareceram dois artistas voluntários para o trabalho. Entretanto, a exigência de fidelidade e perfeição pretendidas não se compadeciam, mesmo com a natural habilidade desses voluntários e, assim, foi adoptada uma solução mais pragmática embora menos “artística”: Eu tinha várias fotografias do “Sal”, a preto e branco, tiradas de perfil, durante as nossas saídas em comum. Tinha a bordo, como de costume, para além da minha Leica M3, o meu projector de slides. Nessa noite, á distância correcta para uma imagem de dimensões generosas, projectou-se, na parede escura do molhe, uma fotografia do “Sal”, irmão gémeo do “Príncipe”. Sendo um negativo, a imagem do navio aparecia muito luminosa no fundo escuro. Foi, assim, fácil, para os “artistas”, delinearem, com a maior exactidão, o seu perfil. Claro que depois, durante a pintura nas suas cores naturais, foi o P 581 que apareceu no mural, com a lista de toda a guarnição ao lado."


"Quando, vinte e cinco anos mais tarde, nas minhas longas permanências oficiais açorianas e frequentes visitas ás diferentes ilhas, procurei a “marca” da passagem do “Príncipe” por aquelas paragens, tive a triste desilusão de ver que, no local onde presumivelmente estaria aquela tão bem conseguida obra, não havia qualquer vestígio, porque o tempo (o mau tempo...) se encarregara de a apagar ou porque, á falta de mais espaço, outros tinham pintado por cima dela a sua própria marca. Mas não é assim a vida? "



O segundo momento, claro está, em 1957 só poderia ser o Vulcão dos Capelinhos, aqui fica alguns excertos:

"Mas, das minhas memórias desse tempo, o espectáculo que mais me impressionou, pelo que para mim teve de inédito e pela sua grandiosidade bem reveladora do que são as forças da Natureza, foi, sem dúvida, o poder ter assistido, em Outubro desse mesmo ano, ao nascimento do vulcão dos Capelinhos e ter-me apercebido de como um fenómeno natural daquelas dimensões pode ter tanto impacte nas vidas das pobres populações de toda a área por ele afectada."


"Foi durante esta crise que o “Príncipe” muito colaborou no esforço das autoridades locais para resolver os problemas surgidos naquela emergência. Assim, para o transporte de víveres das outras ilhas para a Horta e o transporte de desalojados do Faial para fora, o navio foi chamado a fazer, várias vezes, os percursos inter-ilhas. "

"Recordo uma dessas idas até ao vulcão com o 1º Tenente Junqueira e esposa e, noutra ocasião, a presença, a bordo, de dois cientistas bem conhecidos do meio naval, que nos acompanharam de Ponta Delgada até ao Faial em missão de estudo daquele fenómeno. Eram eles o Professor Dr. Orlando Ribeiro que já não se encontra entre nós há vários anos e a Professora Dra. Raquel Soeiro de Brito, hoje mui digna Vice-Presidente da Academia de Marinha." (foto)

Aqui fica o link, para uma leitura na íntegra do Artigo:

http://www.marinha.pt/extra/revista/ra_ago2007/pag_12.html

  • Citações e fotos - "Revista da Armada", nº411 - Agosto 2007, Tomás George Conceição Silva - Gen. da F.A.P.

7 comentários:

Periquito disse...

Muitos desenhos e pinturas se perderam irremediavelmente,qd era tão fácil mantê-los e barato
Um bom verniz maritimo de vez em qd e ainda lá estariam.
Pois mas tb por essa altura ñ se lhe dava, se calhar, valor algum.
Vá lá que já editaram um livro com as melhores pinturas, mas na Marina já imensas se perderam e... era tão fácil.

Mello disse...

Às vezes não damos valor àquilo que temos, isto verifica-se em todo o arquipélago dos Açores, não é só no Faial. Os Açores são peritos em menosprezar a sua cultura, as suas tradições e as suas gentes...

Beijinhos,

Graça Mello

Mello disse...

Às vezes não damos valor àquilo que temos, isto verifica-se em todo o arquipélago dos Açores, não é só no Faial. Os Açores são peritos em menosprezar a sua cultura, as suas tradições e as suas gentes...

Beijinhos,

Graça Mello

Carla Silva e Cunha disse...

o aeu blog é muito interessante, parabens.

http://www.arte-e-ponto.blogspot.com

Táxi Pluvioso disse...

Os militares lusos sempre na linha da frente dos truques. A arte é efémera.

moura do castelo-velho disse...

Olá, aqui está a tua velha amiga Princesa & Moura...Onde quer que esteja sou sempre eu...Agora, deste lado, visito-te mais vezes. Já cá não vinha há tempos e a Rota das Hortências continua um belo Blogue.Já te disse que a minha próxima escala ( quando a crise, passar/€€€...) será LISBOA - FAIAL e depois todo o arquipélago?!!!
Diz-me então o que achas da Moura do Castelo Velho?...Desta vez ainda não foi o das lendas,só de lendas... mas não esqueci a tua ideia/sugestão!
Beijo e bom fim de semana.

Vieira Calado disse...

Olá, caríssima!

O marcador (teria sido melhor eu ter dito, contador) é o ShinyStat.
Penso que o utiliza.
No seu dashboard, a azul, está este
ShinyStat.
Se o abrir e correr, encontrará o seu blog (não me lembro em que posição).
Ontem, o meu estava dentro dos 40 primeiros e o seu estava um pouco depois.

Creio que ao todo, nessa rúbrica, são uns 30.000 blogs!

Depois logo me diz.

Bom resto de Domingo.