quarta-feira, 4 de junho de 2008

O BERÇO DA ILHA

CALDEIRA DO FAIAL
Tal como estava prometido, aqui fica a volta à cratera da Caldeira do Faial, são 8 Kms, por um trilho de dificuldade média. Em condições normais, este percurso demora mais ou menos 2 horas e meia a completar.
A quem se aventurar, pode ficar já com uma certeza, tem lindas paisagens, quer para a Caldeira, quer para a Ilha do Faial, quer para as Ilhas em redor.
Vou chamar a esta volta, a "Versão Verde", pois lá para meados do mês de Julho vou colocar novamente uma volta à Caldeira, mas na "Versão Azul", isto como deve calcular devido às Hortênsias. Assim já é lindo, mas com as Hortênsias em flor, é deslumbrante.
A grande novidade deste post, é a existência de dois vídeos, ou seja, a mesma volta vista por duas pessoas, acho que no conjunto, se consegue ter uma ligeira ideia da realidade, pois ver ao vivo, é impossível de reproduzir...
Espero que gostem.



Esta Caldeira, ao contrário do que muita gente pensa, não foi o Vulcão que deu origem à Ilha, antes dela existiu um período a que se deu o nome de Período Pré-Caldeira que é atribuído ao Complexo Vulcânico da Ribeirinha.

DEPOIS SIM DEU-SE A "Formação da Caldeira — Há 10 mil anos, deu-se uma mudança de estilo eruptivo do vulcão central, entrando numa fase quase exclusivamente explosiva, a qual foi responsável pelos vastos depósitos de pedra-pomes e outros materiais piroclásticos que cobrem quase toda a ilha.

Durante esta fase ocorreu o colapso da parte mais alta do vulcão, com afundamento do topo da câmara magmática, originando a formação da actual Caldeira. O colapso parecer ter ocorrido em dois episódios distintos: o primeiro ocorreu no topo da montanha, desenvolvendo-se para o seu interior; o segundo foi originado por um violenta erupção do tipo pliniano, com libertação de uma nuvem ardente.

O abatimento da caldeira terá ocorrido ao mesmo tempo ou imediatamente depois dessa erupção, a qual recobriu mais de 40% da superfície da ilha com uma espessa camada de materiais piroclásticos, mais pujante para norte e leste do centro eruptivo. A maior parte da cobertura vegetal, se não a sua totalidade, foi destruída.

A erupção foi acompanhada por poderosas enxurradas, que resultaram da precipitação intensa induzida pela condensação em torno das poeiras vulcânicas presentes na atmosfera, sobre um relevo íngreme caracterizado pela inconsistência do solo. Nas falésias da Praia do Norte encontram-se vestígios desses movimentos de massa."

in Wikipédia

6 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Magnífico post.
Abraço.

geocrusoe disse...

O período pré-caldeira não é sinónimo do Complexo vulcânico da Ribeirinha, este de facto é a unidade geológica conhecida mais antiga da ilha. Mas depois da extinção deste, formou-se um outro grande vulcão (por vezes chamada do cedros mas coincide com o da caldeira) que teve durante várias centenas de milhares de anos uma actividade essencialmente efusiva (pré-caldeira) e que, aproximandamente, nos últimos 10 mil anos se transformou em explosiva e conduziu à instalação da caldeira.

xistosa disse...

Quem não pode andar, vê sentado.
Também se viaja com fotos.
É o natural visto em segunda mão.
Belíssimo!

Anónimo disse...

«5 *´s»!!!
Muitos parabéns; ficamos á espera da «volta azul»...
cumptos
amg

Lc disse...

Ao Geocrusoe, acredito que assim seja, talvez fosse boa ideia, ir ao Wikipédia, esclarecer melhor essa situação, penso que podemos participar, e quem melhor do que o meu amigo, pode dar a sua contribuição??

Fernando Vasconcelos disse...

Ora bem admito que neste momento estou confuso quanto à origem da caldeira. Tenho de rever os posts ...
Mas já agora uma pergunta de algibeira: As manchas castanhas que descem do topo da caldeira para o fundo são "cursos de água" ?